Agronegócio mineiro mostra sua força

Promovido pelo Sistema Faemg, evento em BH debate os caminhos do setor durante palestras técnicas, motivacionais e institucionais.


Integrantes de 387 sindicatos rurais, lideranças e autoridades mostraram a força do agronegócio mineiro durante encontro, no último final de semana, no Expominas, em BH, promovido pelo Sistema Faemg (Federação das Agricultura do Estado de Minas Gerais). As cerca de 2 mil pessoas presentes participaram de palestras técnicas, motivacionais, institucionais e mesas de debates.


“Foi a primeira vez, em 71 anos, que o Sistema Faemg promoveu um evento com essa magnitude. Não nos reunimos apenas como colaboradores, diretos ou indiretos, e parceiros, mas como uma classe que promove o desenvolvimento do país e coloca alimento na mesa de milhões de brasileiros e de pessoas de diferentes partes do mundo”, ressaltou o presidente da entidade, Antônio de Salvo.


Para ele, os milhares de participantes representam a força do agro e do produtor rural em todo o Estado. “Nos últimos anos, o agro mineiro passou por adversidades, não só causadas pela pandemia, mas por questões climáticas e internacionais. E com a competência e a diversidade do setor, segurou a economia. Você, produtor, é o responsável pela riqueza que é o agronegócio do nosso país”, reforçou.


Para exemplificar o impacto do trabalho do homem do campo, o vice-presidente de Finanças do Sistema Faemg, Renato Laguardia, destacou que, para cada litro de leite produzido nas fazendas, são gerados em média R$ 5,43 para a atividade econômica, o que, em um ano, representa cerca de R$ 1,2 bilhão para a economia do estado.


“Minas Gerais tem mais de 600 mil propriedades rurais. O agro emprega cerca de 1,8 milhão de pessoas direta e indiretamente. Em 2021, o setor movimentou R$ 177 bilhões, o equivalente a 22% do PIB mineiro, com uma taxa de crescimento de 9,5% ao ano. A nossa exportação também é destaque. De janeiro a dezembro de 2021 foram exportados R$ 54,6 bilhões para 176 países, sendo a China o principal comprador. E somente no primeiro semestre deste ano já atingimos R$ 46,5 bi”, disse.


O vice-presidente de Secretaria, Ebinho Bernardes destacou como os sindicatos podem fortalecer a grandeza da Federação. “A Faemg tem o maior número de sindicatos associados do País: 387. Podemos ser maiores, se cada um, em seu município, souber do impacto da sua atuação”, observou.


O ex-ministro de Agricultura, Alysson Paolinelli, e o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae Minas, Roberto Simões, envolveram o público em uma mesa redonda sobre a evolução da agropecuária brasileira e toda a representatividade do setor.


Paolinelli destacou a capacidade brasileira na produção de alimentos. “Hoje, o mundo tem 7,5 bilhões de pessoas e, em 2050, esse número chegará a 10 bilhões. Para atender o aumento da demanda por alimento, a produção terá que crescer, no mínimo, 61%. E o nosso país tem papel fundamental nessa transformação para garantir a segurança alimentar da população”.


Já Roberto Simões enfatizou a necessidade da união entre o governo, iniciativa privada e a inteligência, representada pelas universidades e centros de pesquisa, para a prosperidade do agro. “A nossa solução está na união do esforço produtivo e do trabalho dessas três esferas. Dentro e fora das instituições, precisamos estar alinhados e cientes do nosso papel”, salientou.


FOTOS / Cabinejb


Posts recentes

Ver tudo

Per Lui