Cine Theatro Brasil Vallourec completa 90 anos e traz programação diversificada

Atividades acontecem no dia do aniversário, mas haverá espetáculo Música de Cinema, com a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais no final do mês; atrações são gratuitas


O Cine Brasil foi a primeira construção de Belo Horizonte no estilo Art Déco e serviu de inspiração para outros prédios da capital mineira (Foto: Gabriel Araújo)


A programação dos 90 anos do Cine Theatro Brasil – que agora tem o name writing da siderúrgica Vallourec -, prossegue até a noite deste dia 14 de julho. As atividades são gratuitas e começaram pela manhã.

Veja as atrações desta noite:


  • 18h - Baile da Dri / Entrada principal (Praça Sete)

  • 18h – Exibição M, O Vampiro de Dusseldorf (Fritz Lang, 1931) / Teatro de Câmara

  • 19h - Trio Lampião / Quarteirão da Rua dos Carijós (Contato Fred 98612-3767)

  • 20h30 – Exibição Festim Diabólico (Alfred Hitchcock, 1948)

  • 21h - Espetáculo Francisco –Do rio ao riso / Grande Teatro


Ao longo do dia houve visitas guiadas com o time do educativo para quem quisesse conhecer um pouco mais dos bastidores do centro cultural que movimenta o coração da cidade. “Convidamos o público a ocupar o Cine e o seu entorno, desfrutando de atrações que não apenas resgatam parte da nossa história como também reforçam a qualidade da nossa programação e a preocupação desse espaço em democratizar o acesso à cultura”, acrescenta a gerente do Cine Brasil, Sandra Campos.

Quando foi inaugurado em 1932, o prédio onde abriga o cinema era um dos mais altos da cidade. Na época, as pessoas até pagavam ingresso para ir até o terraço ver a Serra do Curral. Primeira construção de Belo Horizonte no estilo Art Déco serviu de inspiração para prédios como os dos Correios e da Prefeitura Municipal e chegou a ser o maior cinema do País.


Música de Cinema


Apesar do aniversário ser dia 14 de julho, o público terá mais uma oportunidade de assistir o concerto Música de Cinema, com a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais (OSMG) no dia 29 deste mês, em um evento de encerramento das comemorações.

Sob regência de Sérgio Gomes, o repertório traz trilhas sonoras das sagas Harry Potter e Star Wars, além dos longas Indiana Jones, Superman, Jurassic Park e A Lista de Schindler. Os concertos contam, também, com a exibição simultânea de imagens de alguns filmes. A apresentação marca a parceria do Cine com a Fundação Clóvis Salgado.


Curiosidades na trajetória


O Cine Cine Theatro Brasil traz, em sua história, diversos fatos interessantes e curiosos. Veja alguns:


  • Pedra fundamental: muito tradicional em construções antigas, a pedra marca o começo da história. Coloca-se a pedra e começa a construir o prédio. No caso do Cine Theatro Brasil, a pedra foi colocada em 1930, já que a construção do prédio durou 2 anos. Junto com ela foi colocada uma cápsula do tempo. A caixinha existe até hoje, com fotos e jornais da época. Foi encontrada na restauração do Cine, em 2006, no Teatro de Câmara;

  • O prédio foi inaugurado em 1932 e foi um dos pioneiros no Art Deco, estilo arquitetônico vindo da Europa marcado por linhas retas e formas geométricas. Concreto armado também chamava atenção. Era o prédio mais alto da cidade, pessoas pagavam ingresso e iam para o sétimo andar ver a vista da cidade. O posto de prédio mais alto foi perdido para o edifício Acaiaca, inaugurado em 1943;

  • O edifício começou a ser usado, incialmente, como cinema, mas tinha outras atrações. Havia exibição de jogo de futebol, de jornal, concursos musicais e programas de TV. Por lá também existiu um efervescente centro comercial. Quando prédio inaugurou, 70% das lojas já estavam locadas. E existiam lojistas das mais diversas atividades: aula de violão, contador, dentista. Ficavam no quinto, sexto e algumas no sétimo andar;

  • Mais de 5 mil pessoas compareceram à inauguração. O primeiro filme que passou no cinema foi Deliciosa. Raul Roulien era ator principal, ele foi o primeiro galã brasileiro e de filme era hollywoodiano. Ele esteve no local e causou o maio alvoroço. - O prédio também ocupou o primeiro restaurante popular do estado de Minas Gerais, em 1952;

  • No final dos anos 1960 e início da década de 1970, abrigou um programa semanal, o Brasa 4, exibido pela TV Itacolomi;

  • O Cine passou por muitas reformas ao longo dos anos. Uma das mais radicais foi em 1985, quando os vitrais da fachada foram retirados e os vãos preenchidos de argamassa. Anteriormente, em 1960, eles já haviam sido cobertos por um gigante anúncio publicitário, que dificultava a leitura da fachada;

  • Em 1999 começaram a surgir os cinemas de shopping, e os cinemas de rua começaram a fechar. O Cine, então, encerrou as atividades;

  • O prédio teve três tentativas de tombamento negadas. Uma delas na década de 1980, quando estava para ser vendido para um banco. O Iepha-MG se adiantou e elaborou um dossiê de tombamento, mas o documento não foi homologado pelo governo do Estado. O Cine Brasil foi tombado pelo município em 23 de novembro de 1999. O tombamento em nível estadual ocorreu em 7 de dezembro do mesmo ano;

  • Reinauguração foi com uma exposição de Guerra e Paz, de Portinari;

  • Teatro de Câmara tem 250 lugares e cadeiras são do cinema original. Assentos não são verdes como os originais, foi trocado o estofado, porque o estofado novo ajuda na acústica. Hoje é lá que acontece a Mostra de Cinema do Cine;

  • O sétimo andar abriga um espaço multiuso. De original nele apenas as janelas de dentro e piso dos cantos. Isso porque a parte do meio não existia no projeto original, o prédio tinha o formato da letra U. Era deste andar que era vista a Serra do Curral. Hoje só é possível ver através de uma greta;

  • Do sexto andar hoje é possível ver o telhado original em concreto armado;

  • Os painéis pintados no corredor que dá acesso ao grande teatro são originais. Eles foram encontrados durante a restauração, acidentalmente, embaixo de 5 camadas de tinta. Não existiam registros da pintura ser daquela forma. As ripas de madeiras de peroba rosa que estão neste mesmo corredor eram do teto;

  • A escada que dá acesso à plateia superior do Grande Teatro é de estilo complexo, segundo especialistas, porque os módulos não são soldados, são encaixados;

  • No fim do corredor encontra-se o foyer. Ele não existia no projeto original, eram lugares. O foyer precisou ser feito como rota de fuga, uma exigência do corpo de bombeiros;

  • O Grande Teatro hoje tem 1000 lugares, 200 são cadeiras originais.

Veja outras imagens do Cine Brasil:


Fotos: Gabriel Araújo / Arquivo Cine Brasil / Paulo Lacerda