CineOP retoma programação presencial e aposta na diversidade



Começa nesta quarta-feira, 22, a 17ª edição, a Mostra de Cinema de Ouro Preto (CineOP). Após dois anos explorando o formato online em decorrência da pandemia de covid-19, o evento irá novamente receber cinéfilos de todo o país na cidade histórica, com uma programação diversa até a próxima segunda-feira, 27.


Neste ano, o evento aposta em uma cinematografia rica em gêneros que passa, por exemplo, por ficções ambientadas nos anos 1980 e 1990 e por documentários sobre os cineastas Glauber Rocha e Ruy Guerra e sobre o músico Belchior. Além disso, o festival apresenta várias produções indígenas. "Fizemos um mergulho nos acervos e tivemos acesso a um volume muito grande de trabalhos. Foi um esforço de pesquisa e buscamos oferecer uma programação que tenha uma diversidade tanto de temas como povos representados", conta o curador Cleber Eduardo.


Pensando cada vez mais em acessibilidade, além das atividades presenciais, haverá uma programação virtual disponibilizada por meio do site da CineOP. A decisão foi tomada a partir da avaliação positiva das experiências de 2020 e 2021. "Acho que é algo que vai existir sempre agora nos festivais", avalia Cleber Eduardo.


A organização do evento espera um público de 15 mil pessoas em Ouro Preto. Considerando a programação presencial e virtual, serão exibidos ao todo 151 filmes, sendo 20 longas-metragem, 14 médias e 117 curtas. São trabalhos provenientes de 21 estados brasileiros, além de outros 7 países. Estão previstos ainda debates, oficinas, exposições, lançamentos de publicações, performances e shows. Toda programação é gratuita.


Embora as primeiras atividades do evento estejam começando nesta quarta, 22, a abertura oficial ocorre apenas amanhã, 23, às 19h30, quando os cineastas indígenas Ariel Ortega e Patricia Ferreira Yxapy serão homenageados na Praça Tiradentes e receberão o Troféu Vila Rica.


"A definição pelo trabalho de ambos, nascidos na cidade argentina de Missiones, na aldeia Tekoa Verá Guaçu, se dá especialmente pela forma como as questões culturais e políticas em seus filmes surge de natureza distintas, sendo pontuadas pela própria aproximação da cidade em relação às terras de seu povo", registra o site do evento.


Na sessão de abertura, o público assistirá Bicicletas de Nhanderú, um documentário de 48 minutos dirigido por Ariel Ortega e Patricia Ferreira Yxapy e finalizado em 2011. No filme, os diretores realizam uma imersão na espiritualidade presente no cotidiano dos Mbyá-Guarani da aldeia Koenju, em São Miguel das Missões (RS).

BOA NOTÍCIA GERA NOTÍCIA BOA!

OFERECIMENTO

1/1