Filho de peixe...



Hoje, garimpei, mas não precisei escavar muito para eleger um tema: a incontornável e polêmica mineração em Minas Gerais.


E logo de início, quase um pleonasmo: mineração em Minas. Minas Gerais! Chamemos um gato, de gato! O nome já entrega o nosso DNA.


Minerar é preciso. Sempre foi e é nossa mina de ouro, nosso PIB. Mas, por mais quanto tempo? 30, 40 anos? E depois?


O Brasil foi feito de ciclos econômicos. Ciclos, como impérios, conhecem início, auge e fim.


Desde 1500, tivemos o ciclo do pau-brasil, da cana-de-açúcar, do ouro, do algodão, do café e da borracha. Quase todos acabaram e traumaticamente.


Por isso, vamos ao que interessa a Minas Gerais, o ciclo do ouro. Sem esquecermos dos diamantes e outras pedras preciosas que, se não são mais abundantes, deixaram profundas e positivas marcas em Minas e no povo mineiro.


Ouro Preto, Ouro Branco, Diamantina, Tiradentes... É muita história preciosa em apenas 302 anos.


O ouro legou-nos as cidades históricas; a música barroca; a arte de Aleijadinho e de Mestre Ataíde. Tempos ricos que construíram a identidade de Minas, seus trens de ferro e sua cozinha; tradição, fé e costumes. O estado mais emblemático do Brasil.


A extração do ouro de Minas mudou e, embora continue sendo o maior Estado produtor desse metal no país, nossas minas são gerais, contam com muitas coisas, como o ferro.


Os ciclos passam e o minério continua.


A exemplo da formiga daquela fábula, precisamos nos preparar para o “inverno”. Com ou sem cigarra.


Se tudo começa ou passa por Minas, precisamos pensar e buscar o que ficar em Minas. Quando as outras minas conhecerem o mesmo destino das minas de ouro, qual será o futuro deste chão de ferro? Esperemos que seja o melhor!


Somos mestres em mineração. Temos “know how” e “savoir faire” para encontrar soluções e investimentos para o pós minério, na Economia e no Meio Ambiente.


Devemos lutar por royalties mais justos, aumentar o valor e aplicar melhor os recursos do minério, com justiça e sabedoria.


Impossível uma omelete sem quebrar os ovos. Desde que não matemos a galinha dos ovos de ouro. E que este novo ouro, de ferro, não seja de tolo.


Confessou o poeta Carlos Drummond de Andrade: “por isso sou triste, orgulhoso: de ferro. Noventa por cento de ferro nas calçadas. Oitenta por cento de ferro nas almas”.


No que completou o jornalista Jorge Fernando dos Santos, com menos tristeza: “todo mineiro tem um trem de ferro apitando nas veias, uma montanha brilhando nos olhos e uma banda tocando nos ouvidos”.


Resumindo, há que defendermos nossa maior riqueza e sua exploração consciente. Criminalizar a mineração é dar um tiro de canhão no pé. Afinal, somos ou não as Minas Gerais? Se não, vamos trocar o nome do estado, para Cafés Gerais, Hortifrutigranjeiros Gerais, Cachaçalândia! O que acham?


O minério não é o bandido! Pelo contrário, é uma dádiva, riqueza natural. Ele é o mapa da Ilha do Tesouro, para a abertura de nossa economia. Ele pode e deve ser a base de uma diversificação econômica.


Assim como o ouro nos brindou com riquezas materiais, imateriais e culturais, o minério pode repetir a façanha. Como? Simples! Possibilitando outros diferentes ciclos.


Sendo bem aplicado. Atraindo outras indústrias de valor agregado, incentivando o Turismo, melhorando e ampliando a infraestrutura de estado; por fim, divulgando dentro e fora do Brasil as infinitas possibilidades de Minas, abençoada com recursos gerais e férteis.


Em casa de ferreiro, espeto de ferro sim.


Filho de peixe, peixinho é, peixão será.


Porque, como pode um peixe vivo viver fora da água fria?


BOA NOTÍCIA GERA NOTÍCIA BOA!

OFERECIMENTO

1/1