Leite materno, o padrão ouro de qualidade

Especialista esclarece sobre a importância do Agosto Dourado, mês dedicado à intensificação das ações de promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno.


Renata Melgaço afirma que o leite é o alimento mais completo para o bebê, porque sacia a fome e ainda contribui para a melhora nutricional - Foto: Consultoria Crescer Bem


Uma pesquisa publicada em 2016 na revista inglesa “The Lancet” revela que a universalização do aleitamento exclusivo poderia prevenir 823 mil mortes por ano entre meninos e meninas com menos de cinco anos de idade. No mês dedicado à intensificação das ações de promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno, o Agosto Dourado também é uma oportunidade de levar informação para que a amamentação seja uma experiência positiva para a mãe e o bebê. Nesta entrevista ao CIDADE CONECTA, a professora dos cursos de Enfermagem, Nutrição e Odontologia da Estácio Belo Horizonte, Renata Melgaço, que também é consultora em amamentação, esclarece mais sobre o assunto.


Quais as principais barreiras que as mães encontram na amamentação?


O principal obstáculo na amamentação é a falta de conhecimento. Em geral, as mães se preparam e se organizam para o parto com a crença de que a amamentação é algo intuitivo, que o bebê fará o processo de sucção de forma natural, mas normalmente isso não ocorre. A mãe e o bebê estão se conhecendo, se encontrando e se conectando para que a amamentação aconteça. Então, a falta de informação ainda na gestação é o principal desafio que as mães enfrentam.


Quais as consequências da falta de informação durante a amamentação?


Sem informação prévia, nos depararmos com situações que impactam diretamente na amamentação podendo levar ao desmame precoce. Entre as causas diretas do desmame estão as fissuras mamárias – machucados nos mamilos que costumam surgir nas primeiras mamadas –, por isso a importância de um consultor de amamentação, que irá passar as primeiras orientações e devidos ajustes ainda no hospital. Esse profissional capacitado também irá acompanhar o processo de apojadura – momento da descida do leite – para que o organismo não produza leite em excesso, o que pode levar a uma mastite (processo infeccioso), como também não produza em quantidade insuficiente, fazendo com que o bebê perca peso.


Quais são os benefícios da amamentação para mãe e bebê?


O leite materno é considerado padrão ouro de qualidade. É o alimento mais completo para o bebê, sacia a fome, contribui para a melhora nutricional, reduz as chances de obesidade, hipertensão e diabetes, diminui os riscos de alergias e infecções. Para além disso, fortalece o vínculo entre a mãe e o bebê. O aleitamento materno contribui ainda para a retração uterina após o parto.



Posts recentes

Ver tudo

Per Lui