Queijo Minas produzido na Canastra é apontado como o melhor do mundo



O site americano Taste Atlas acaba de classificar o Queijo Minas Artesanal da região produtora Canastra como o principal destaque em ranking dos 50 melhores queijos mundiais.


A iguaria mineira aparece em primeiro lugar, deixando para trás os conhecidos Grana Padano, Gorgonzola Piccante e Pecorino Sardo, entre outros queijos famosos internacionalmente.


“O reconhecimento da qualidade dos queijos mineiros e em particular, nesse momento, do Queijo Minas Artesanal, produzido na região produtora Canastra, muito nos orgulha. Tudo isso é resultado de um esforço conjunto de todo o sistema de agricultura do estado. Ninguém faz nada sozinho. Temos que destacar o trabalho da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais  (Emater-MG), mas também da Empresa de Pesquisa Agropecuária (Epamig), do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e a coordenação da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa). Todo o grupo tem sua contribuição no desenvolvimento da cadeia produtiva do leite e do queijo, com qualidade e segurança para os consumidores”, ressalta o diretor-presidente da Emater-MG, Otávio Maia.


Representando a Associação dos Produtores de Queijo da Canastra (Aprocam), o gerente executivo, Higor Douglas de Freitas, exalta a conquista, “O Taste Atlas é como se fosse um guia de viagem. Ele recebe informações dos usuários e vai ranqueando”, explica, acrescentando que se trata da avaliação de consumidores do queijo mineiro. “A gente fica feliz. É uma conquista expressiva, pois reconhece cada vez mais a qualidade do nosso queijo e o trabalho dos produtores para entregar um bom produto aos consumidores”, argumenta.


O Queijo Minas Artesanal é produzido a partir de leite de vaca cru, ordenhado na mesma propriedade onde fica a queijaria. A iguaria, além de seu sabor especial, se destaca por ser um dos representantes mais típicos da história mineira, com seu modo de preparo sendo passado entre gerações. O modo artesanal da fabricação foi registrado como patrimônio cultural imaterial brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).


Foto: Emater-MG / Divulgação