Representante do Vaticano vem a BH para estudar relatos de milagres atribuídos a Padre Eustáquio

Visita do Postulador geral das Causas de Canonização faz parte do processo para reconhecer religioso como Santo


Beato Padre Eustáquio viveu em Belo Horizonte até 1943 (Foto: Arquivo Igreja Pe Eustáquio)


Os devotos de Padre Eustáquio, que dá nome a uma igreja e um bairro em Belo Horizonte, estão com grande expectativa do beato ser reconhecido como Santo. No próximo mês está agendada a visita do polonês Andrzej Lukawski, representante da Igreja Católica que virá a Belo Horizonte para ter um contato mais próximo com os milagres atribuídos ao religioso. O enviado do Vaticano irá participar também das festividades do Dia de Padre Eustáquio, em 30 de agosto.

O processo da santificação do beato foi iniciado em 1956, de acordo com o reitor do Santuário Arquidiocesano da Saúde e da Paz e vice-postulador da causa, padre Vinícius Maciel, que defende a canonização. Segundo ele, o processo para que qualquer Santo seja reconhecido pela Igreja Católica pode levar até 80 anos. Até hoje, houve o reconhecimento de um milagre: a cura de um câncer na garganta do padre Gonçalo Belém. Por isso, Padre Eustáquio é considerado beato.


Sinais


Padre Vinícius Maciel explica que o postulador geral das Causas de Canonização da Congregação dos Sagrados Corações virá de Roma, a fim de estudar os relatos de milagres atribuídos a Padre Eustáquio.

“Dentro de poucos anos, nós poderemos ter essa canonização concluída. Em muitos lugares há sinais claros da intercessão dele junto de Deus e eu acredito que essa visita poderá nos orientar e nos iluminar a estudar possíveis casos que possam ser apresentados à igreja em Roma”, observa Padre Vinícius, em declaração ao portal “O Tempo”, de BH.

Padre Eustáquio (Humberto van Lieshout foi seu nome de batismo) nasceu em Aarle Rixtel na Holanda, no dia 3 de novembro de 1890. Veio de uma família numerosa, onde dos nove filhos, quatro seguiram a vocação religiosa. Aos 15 anos, ingressou no Seminário da Congregação dos Sagrados Corações.


Missionário no Brasil


Em 1925 chegou ao Brasil, quando seu ideal missionário se realizou ao ser um dos três fundadores da primeira comunidade da Congregação dos Sagrados Corações no Brasil, em Romaria, no Triângulo Mineiro.

Em 1942 foi acolhido pelo então Arcebispo D. Antônio Cabral. Um ano depois apresentou à comunidade a maquete da futura Matriz dos Sagrados Corações. Foram apenas 16 meses de intenso apostolado a partir da capela de Cristo Rei, da antiga paróquia de São Domingos, futura paróquia dos Sagrados Corações.

Padre Eustáquio morreu em 1943 e, apesar do pouco tempo em que residiu na capital mineira deixou milhares de devotos. Seu funeral foi uma verdadeira marcha triunfal e seu túmulo se tornou um dos mais visitados no Cemitério do Bonfim até que, em 1949, os restos mortais do religioso foram exumados e trasladados para um túmulo dentro da igreja Sagrados Corações, mais conhecida como Igreja de Padre Eustáquio.