Setor do turismo bate recorde de participação na economia mineira



O turismo mineiro vem exercendo um papel casa vez mais significativo na economia do Estado. Para se ter uma ideia, entre 2018 e 2019, o Valor Adicionado Bruto (VAB) do turismo de Minas Gerais saltou de R$ 19,1 bilhões para R$ 22,3 bilhões (um crescimento corrente de 16,9%). Nesse intervalo de tempo, a totalidade do VAB estadual foi de R$ 538,8 bilhões para R$ 571,5 bilhões (um crescimento corrente de 6,1%).


Esses dados acabam de ser divulgados pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) por meio do Observatório do Turismo de Minas Gerais e pela Fundação João Pinheiro (FJP), e fazem parte do estudo que também atualizou a metodologia de cálculo utilizada anteriormente.


A metodologia de cálculo do Produto Interno Bruto (PIB) foi realizada a partir da revisão das atividades características do turismo constantes em um estudo contratado pela Secult em 2009.


O crescimento nominal observado no VAB do turismo em 2019, na comparação de um ano em relação ao imediatamente anterior, foi o maior da série histórica 2010-2019, o que fez com que a representatividade das atividades características do turismo alcançasse a participação recorde no VAB total estadual em 2019, de 3,90%, superando o recorde anterior obtido em 2014, ano de realização da Copa do Mundo no Brasil, de 3,70%.


Na comparação entre 2010 e 2019, o VAB do turismo estadual passou de R$ 10,8 bilhões para R$ 22,3 bilhões, enquanto o VAB total de Minas Gerais passou de R$ 305,2 bilhões para R$ 571,5 bilhões.


De acordo com o pesquisador Thiago Almeida, da FJP, vale acrescentar que o pico de participação do VAB do turismo em nível estadual alcançado em 2019 é corroborado pela variação real dos índices de volume das diferentes atividades econômicas. “Enquanto, em 2019, o volume de VAB recuou 3,6% na agropecuária, pois foi um ano de baixa produtividade no ciclo bianual da cafeicultura e de redução na produção florestal, e 6,8% na indústria, devido ao colapso na produção mineral ocasionado pelo rompimento da barragem de Brumadinho e seus desdobramentos na atividade de extração mineral, o volume setorial associado às atividades de serviços, no qual se enquadram os segmentos turísticos, evoluíram positivamente", destaca.


A subsecretária de Turismo da Secult, Ane Souza, destacou a importância das informações para o setor turístico em Minas Gerais. “Os dados possibilitam compreender melhor o impacto econômico do turismo em Minas Gerais e a metodologia auxiliará no acompanhamento anual das informações. Além disso, permitem entender melhor o contexto dos setores econômicos nos municípios mineiros, auxiliando na elaboração de política públicas para o turismo”, explica a subsecretária.


Fonte: Agência Minas


BOA NOTÍCIA GERA NOTÍCIA BOA!

OFERECIMENTO

1/1