• maio 27, 2024
  • 6 minutos

Equipe forte, negócio de sucesso

Equipe forte, negócio de sucesso

Três ações para formar um time em sintonia com a cultura da empresa

Roque Almeida, colunista
Sobre trabalhar em equipe: veja o que diz Roque Almeida Crédito
Roque Almeida é CEO da Matter&Co., o primeiro ecossistema de inteligência de negócios da América Latina (Foto: Rafael Motta)

Formar uma equipe forte é essencial para o sucesso de qualquer empreendimento. A diversidade de habilidades, a assertividade e a boa dinâmica de grupo são fundamentais para garantir a eficácia, e quando necessário, a resiliência de uma empresa diante da oscilação do mercado. De acordo com um estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apenas 40,7% das empresas sobrevivem no mercado após cinco anos da abertura, e as pequenas empresas apresentam as menores taxas de sobrevivência no mercado, ficando em 35,5%. Esse cenário nos indica falhas na atuação dessas empresas, e uma delas está, certamente, na escolha dos colaboradores. Para ajudar na construção de uma equipe de alto desempenho, apresento aqui três ações essenciais.

Primeiro, destaco: diversidade é a chave. Uma equipe composta por pessoas com diferentes experiências, formações e pontos de vista tem um potencial incrível para a inovação e a resolução criativa de problemas. Cada membro traz consigo um conjunto único de habilidades e conhecimentos, preenchendo lacunas e fortalecendo a capacidade do time de entregar resultados. Quando as capacidades individuais se complementam, cria-se um ambiente mais colaborativo e, portanto, eficaz, onde a soma das partes é maior do que o todo. Eu chamo isso de inteligência coletiva.

Ainda assim, atenção: promover a diversidade não se limita às diferentes formações técnicas, acadêmicas e experiências de trabalho dos colaboradores. Pensar em diversidade também é incluir também o que nos torna humanos diversos: nosso gênero, raça, idade, orientação sexual, cultura, religião, capacidades físicas e neurológicas. Pessoas neurodivergentes, por exemplo, têm muito mais dificuldade para encontrar um posto de trabalho, ainda que possam, em muitos casos, se mostrar colaboradores mais focados, criativos e empáticos do que os demais. Qual é o entrave, então, para a sua contratação? A desinformação. Uma pesquisa conduzida pela Universidade Corporativa Korú mostrou que 85,9% dos estudantes e profissionais entrevistados nunca receberam orientações sobre como conviver com colegas neurodivergentes. Enquanto quem constrói uma equipe diversa, reunindo múltiplos talentos, passa a ser capaz de criar produtos e serviços que atendem a uma maior variedade de clientes, quem rechaça a diversidade desperdiça a oportunidade de contratar alguns dos melhores talentos do mercado.

Como segundo ponto, a comunicação deve ser clara e dialógica. Estabelecer canais abertos e transparentes de comunicação é essencial para o bom funcionamento de uma equipe. A comunicação assertiva facilita a resolução de problemas, constrói confiança e mantém todos alinhados aos objetivos da empresa. Desde o início, é importante estabelecer regras de comunicação, definindo o tom, os canais a serem utilizados, os horários de disponibilidade e os protocolos para lidar com conflitos ou questões urgentes.

Além disso, é fundamental desenvolver uma cultura de feedback construtivo, na qual os membros da equipe se sintam confortáveis e psicologicamente seguros para expressar suas opiniões e dar sugestões para melhorias. A comunicação clara e aberta cria um ambiente de trabalho mais colaborativo e harmonioso, onde todos se sentem valorizados e motivados a contribuir para o sucesso individual e coletivo.

Com uma equipe diversa e a comunicação estabelecida, é chegado o momento de definir metas específicas e motivadoras para manter a equipe engajada e promover a sustentabilidade do negócio. É analisando as metas alcançadas e não alcançadas que se pode ser mais ambicioso ou trocar o curso que a empresa está seguindo. É essa a análise que possibilitará a avaliação final de cada setor e sua melhoria.

As metas para os colaboradores devem ser desafiadoras, mas alcançáveis, e estar alinhadas aos objetivos estratégicos da companhia. Cada membro da equipe deve compreender claramente sua contribuição para essas metas e como seu trabalho se encaixa no contexto mais amplo do projeto ou da organização. Ao fim de uma etapa, é importante celebrar as conquistas e reconhecer o esforço e o desempenho dos membros da equipe. O reconhecimento do trabalho bem feito reforça o senso de realização individual e fortalece o espírito de equipe. A última edição do ranking Great Place to Work (GPTW) a nível Brasil apontou que há uma “epidemia de desengajamento” nas empresas, com apenas 16% dos colaboradores realmente comprometidos com o trabalho que realizam. Portanto, criar estratégias de engajamento é crucial.

Essa não é uma lista exaustiva de como formar e desenvolver uma equipe forte, é a introdução ao assunto. O trabalho é contínuo e há muitas outras formas de manter o alto desempenho dos seus colaboradores, mas esse é um assunto para outro artigo.

Saiba mais: www.matterco.com.br

Leia mais:

Inteligência & Negócios: desvendando o poder oculto dos ecossistemas de inteligência de negócios