• junho 6, 2024
  • 4 minutos

Você sabe o que é o ceratocone? Saiba mais sobre essa doença

Você sabe o que é o ceratocone? Saiba mais sobre essa doença

Você tem o hábito de esfregar e coçar demais os olhos? Atenção aos principais sintomas do ceratocone, que afeta, anualmente, mais de 150 mil brasileiros, de acordo com dados do Ministério da Saúde 

 

mulher de angulo alto a fazer um exame ocular
Prevenção é a melhor escolha: por ano, 150 mil brasileiros, de acordo com dados do Ministério da Saúde, são diagnosticados com o ceratocone (Foto: Freepik)

 

 

De acordo com o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), a cada 100 mil pessoas no mundo, de 4 a 600 desenvolvem ceratocone, uma doença degenerativa que causa uma alteração no formato e espessura da córnea. O ceratocone é uma doença congênita (predisposição para desenvolvê-la) que compromete a visão de um ou ambos os olhos. De forma progressiva, a córnea – membrana transparente que protege o olho – perde espessura (afina) e adquire o formato de cone (encurva).

 

 

 

Leia mais:

Verdemar realiza Dia Livre de Impostos

 

 

 

“Idealmente a córnea deve apresentar uma característica mais arredondada e regular para que a luz adentre os nossos olhos de maneira organizada e nos traga boa visão. No portador de ceratocone a córnea apresenta um formato prolado, que gera irregularidade na entrada da luz aos olhos, o que traz o embaçamento visual”, explica Leonardo Coelho Gontijo, oftalmologista do Instituto de Olhos Minas Gerais, especialista em córnea.

 

 

De acordo com o oftalmologista, as manifestações iniciais são sutis – coceira ocular e grau de miopia e astigmatismo elevados –, e podem ser prescritos óculos sem que seja dada a devida atenção aos sinais da doença.

 

 

“Muitas vezes o ceratocone é diagnosticado em um momento tardio, quando muitas sequelas já estão instauradas. O momento correto da detecção é fundamental para que possamos estabilizar a doença o quanto antes, por isso é fundamental manter consultas regulares”, alerta.

 

 

O ceratocone exige diferentes modalidades de tratamento de acordo com o tipo de irregularidade induzida em cada olho afetado. “Diante de um diagnóstico em menores de 18 anos ou da detecção de doença em progressão é indicado o crosslinking. Trata-se de uma cirurgia minimamente invasiva, com o intuito de estabilizar a doença”, informa.

 

Para casos leves e moderados, Leonardo Coelho Gontijo explica que existem lentes de contato especiais, que se apoiam na esclera ou na córnea, e para níveis leves ou moderados, podem ser indicados o implante de anel intracorneano.

 

 

“Somente em casos severos o transplante de córnea pode ser uma alternativa, mas ele tem sido empregado cada vez menos e como última opção, quando nenhuma das técnicas anteriores solucionaram o problema”, finaliza.

 

 

Como ocorre o ceratocone?

 

Por meio de mudanças físicas e bioquímicas no tecido corneano, tornando-o mais suscetível a danos oxidativos e fazendo com que ele enfraqueça e se projete para frente. Além disso, de 5% a 27% dos casos têm histórico da doença na família.

 

A doença tem tratamento?

 

A doença de ceratocone ainda não tem cura definitiva. Por isso, é importante consultar um oftalmologista regularmente para acompanhar o desenvolvimento da doença. Em sua forma mais leve, óculos e lentes de contato rígidas podem auxiliar, além do implante de anel intraestromal. Já na fase mais crítica, o tratamento é feito com o transplante de córnea.

 

 

 

Leia mais:

Maior queijo do mundo está em Minas Gerais